quarta-feira, 20 de maio de 2009

Pai e Filha


Ontem de manhã estava saindo de casa para deixar o Marinho na escola e me deparei com uma cena digna de registro. Daquelas que nos oferece a possibilidade de acreditar que a felicidade ainda é possível. Que viver é bom e que o ser humano merece respeito... Já no meio do caminho avistei o Alberto, amigo recente, esposo da Suely e um batalhador com labuta igual a minha. Vinha, acredito, da padaria e com o sorriso aberto por ter nos seus braços a sua miudinha, que até parece uma xerox do seu rosto. Esther estava na segurança dos abraços do pai e ali dava a impressão aos que passavam que o mundo poderia acabar a qualquer momento que nada abalaria a confiança e a certeza que ela estava sentindo pela proteção dos braços galegos do Cesar Braga. Alberto já tem o rosto branco e largo mas naquela hora a rua não dava nem pra passar uma bicicleta. O cara tinha um sorriso do tamanho do mundo.

2 comentários:

  1. Eu como a mamãe de MARIA ESTHER me sinto abraçada por tamanho carinho por nós Mario( EU ALBERTO E ESTHER ).Conserteza você não mediu palavras em dizer que a tamanha felicida de PAI ao carregar sua perola ou como ele a chama minha branca de neve, minha Estherzinha. UM ABRAÇO

    ResponderExcluir
  2. Suely,

    Eu fiquei muito feliz ao presenciar o Alberto com a Esther. Senti a força do compromisso, do amor filial e da presença de Deus.

    ResponderExcluir

Obrigado por expressar seu ponto de vista.