IMPOSTÔMETRO

domingo, 2 de maio de 2010

SAUDADE QUE NÃO SE MATA – (DO IRMÃO QUE SE FOI)



Data venia ao amigo Amarildo para publicar o que me enviou por e-mail. Trata-se de sentimento puro. Sumo de uma relação entre duas pessoas que antes da consanguinidade percebe-se uma admiração de amigos verdadeiros.  É um relato de saudade ao irmão que se foi de forma acidental e inesperada.  O ontem já foi, a hora sempre será agora e o amanhã não nos pertence... Vamos pensar nisso!



TUDO FOI REPENTINO
DE SÚBITO FOMOS PEGOS PELA TRAGÉDIA
AQUELA NOTÍCIA QUE NINGUÉM QUER OUVIR
AQUELA PALAVRA, O ABRAÇO, O BOM DIA...
TUDO FICOU PRA TRAZ
FOI ASSIM QUE QUIS O DESTINO




O TEMPO SEMPRE PASSA RÁPIDO
TODAVIA, AQUELE 06 DE ABRIL...
NÃO ACOMPANHA TAL RAPIDEZ
PARECE QUE O TEMPO VAI PARAR
PERSEGUE-ME POR TODOS OS MESES, DIAS...
E DELE NÃO CONSIGO ME DESVENCILHAR





LEMBRO-ME DAQUELE SORRISO
SEM DEIXAR O SOM ECOAR
AS MANIAS DO SER QUE TODOS CONHECERAM
QUE SEMPRE ESTAVA DE PRONTIDÃO A AJUDAR




HOJE É SEU ANIVERSÁRIO
FAZ UM ANO QUE NASCESTE PARA OUTRA VIDA
PARECE QUE FOI ONTEM
NÃO ESTAVA PREPARADO PARA TAMANHA AUSÊNCIA
A SAUDADE DA SUA IMAGEM VEM A GALOPE
AS VEZES ATÉ SINTO SUA PRESENÇA...
NA PRAIA DE LUCENA
FINAL DE TARDE COM AQUELE ROCK PESADO A TOCAR
AQUELA BANDEIRA DO CLUBE AMADO
EM SÃO JANUÁRIO A TREMULAR
O NARRADOR COM TODO FERVOR
AO GOL DO VASCÃO A NARRAR
É IMPOSSÍVEL NA SUA PESSOA
NO SEU JEITO NÃO LEMBRAR...






JÁ LHE CHAMEI DO PESCADOR DE ILUSÕES
OUTROS DE BB (BETO DE BAYEUX),
DE BETINHO PARA OS MAIS ÍNTIMOS
MAS COMO INDAGOU MEU PAI
“ELE COMO VOCÊS DIZEM... ERA O CARA”
O CARA QUE DEIXOU SAUDADES
PALAVRAS QUE NÃO SE PODE PROCLAMAR
ENCONTROS QUE NÃO SE PODE MARCAR
AQUELA CERVEJA QUE NÃO SE PODE TOMAR
ATÉ A TEIMOSIA QUE LHE ERA PECULIAR
NÃO SE PODE MAIS PRESENCIAR
O IRMÃO QUE ESTAVA SEMPRE A AJUDAR...


É...



SAUDADES QUE NÃO SE PODE MATAR.

3 comentários:

Obrigado por expressar seu ponto de vista.