quinta-feira, 30 de junho de 2011

Eu sou paraibano com muito orgulho

domingo, 26 de junho de 2011

Fazenda Senzala

Em minha odisseia, fui na Fazenda Senzala do Mestre Vavá da Luz. Lá, uma recepção de primeira e o anfitrião estava recitando um dos seus inúmeros versos. Tinha de tudo um pouco. Pré-candidato a Prefeito até tiragosto de cobra. Na sala da casa grande, observei um oratório onde o Vavá professa sua fé em Deus. Um rádio antigo indica o gosto dele pelas comunicações, expostas ao mundo através do blog mais antenado da web ( http://www.blogdovavadaluz.com ). Ao termino, fica a informação; Quem for por Ingá e desejar dar uma esticadinha, o Vavá tem o Motel Fazenda Fujimore, ao lado da casa da fazenda. Sigilo absoluto e o guardião do negócio é o "Gata Mansa".




  • O poeta Vavá da Luz


  • Tiragosto de cobra

  • Dona Lia e Dui


Fazenda Caçulinha

Estes dias fui no Ingá-PB,Fazenda Caçulinha do Dr.Nena bacalhau. Um lugar excelente com uma qualidade de vida incrível, onde reencontrei pessoas que fazem parte da história da minha família. Desde o proprietário, passando por Mércia,João Bolinha,Vavá da Luz e outros...

  • Babinho, e Dui
  • Marinho e Célio Taveira, que foi um grande centroavante do super Vascão.

  • O Célio Taveira comandou a churrasqueira. Esse peixinho é um pintado.
  • Mazinho, como sempre, embebedou-se e foi dormir na caminhoneta, mas não largou o prato
  • Os sogros de Angélica, Nena Bacalhau e o ex-Deputado João da Mata

  • Em estaque o inoxidável Vavá da Luz. Homem do blog mais visto da Internet, com atualização diária. Veja o link, aqui na página.

  • Renata, Simone e Mércia, exceto a primeira, as demais bebem bem pouquinho
  • Magno,  de azul, na esquerda, comeu quase uma tonelada
  • A chegada da família real. Tico e seus carneiros
  • Marinho e Márcio Jr, com seu inseparável óculos de Restart
  • Meu pai com o amigo Nena. Ja ouvi muitas histórias desta dupla.

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Como passou rápido....




Especialmente hoje estava escutando algumas músicas juninas, cheguei até comprar cds, e iniciei uma viagem pela minha infância. Lembrei de muitas passagens interessantes e de pessoas que partiram para uma outra vida

Ainda criança mas me lembro da quadrilha de seu Oliveira, que ficava na frente da casa dele, lá em Jaguaribe, bem perto da Escola Técnica. Era um pavilhão coberto de palhas de côco e no chão uma cimentada lisa, que servia para o arrasta pé. Não podia esquecer minhas tias se arrumando para a festança e mainha fazendo pamonha e canjica, com o auxilio de Maria e eu sempre solicitado para botar força no moinho. No fim raspava o tacho com uma colher de pau..

Ficava esperando chegar o mês de Junho, que já estava certo ganhar roupa de Marilete. Eram duas calças e duas camisas, para São João e São Pedro. Bomba chilena, traque, chuveirinho, e mais tarde, bomba bujão, vulcão e arrumar madeira para fazer fogueira. Pense numa alegria!

Lembrei do Tio Luiz, com sua sábia paciência, Painho, seu Júlio e Tonho, dos amigos que tenho desde aquela época. O Ido, Êdo e Gibinha, Joia,Nhy e Nicinha. A vacaria de seu Bounerges o campinho na porta de casa e a pelada de vôley, depois de assistir o sítio do pica pau amarelo.

Agora me vem uma afirmação: Como passou rápido...

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Ben - Michael Jackson

Robocop iluminando um castelo miudinho, no chão colchão pequenininho e a vida passa num galope ligeirinho



quarta-feira, 8 de junho de 2011

O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO




CAPITULO XIII
QUE A MÃO ESQUERDA NÃO SAIBA
O QUE FAZ A DIREITA

INSTRUÇÕES DOS ESPÍRITOS: A CARIDADE

13. Chamo-me Caridade, sou o caminho principal que conduz a Deus; segui-me, porque eu sou a meta a que vós todos deveis visar.

Fiz nesta manhã o meu passeio habitual, e com o coração magoado venho a dizer-vos: Oh, meus amigos, quantas misérias, quantas lágrimas, e quanto tendes de fazer para secá-las todas!

Inutilmente tentei consolar as pobre mães, dizendo-lhes ao ouvido: Coragem! Há corações bondosos que velam por vós, que não vos abandonarão; paciência! Deus existe, e vós sois as suas amadas, as suas eleitas. Elas pareciam ouvir-me e voltavam para mim os seus grandes olhos assustados. Eu lia em seus pobres semblantes que o corpo, esse tirano do Espírito, tinha fome, e que, se as minhas palavras lhes tranqüilizavam um pouco o coração, não lhes saciavam o estômago.

Então eu repetia: Coragem! Coragem! E uma pobre mãe, muito jovem, que amamentava uma criancinha, tomou-a nos braços e ergueu-a o espaço vazio, como para me rogar que protegesse aquele pobre e pequeno ser, que só encontrava num seio estéril alimento insuficiente.

Mais adiante, meus amigos, vi pobres velhos sem trabalho e, logo, sem abrigo, atormentados por todos os sofrimentos da necessidade, e envergonhados de sua miséria, não se atrevendo, eles que jamais mendigaram, a implorar a piedade dos passantes. Coração empolgado de compaixão, eu, que nada tenho, me fiz mendiga para eles, e vou para toda parte estimular a beneficência, inspirar bons pensamentos aos corações generosos e compassivos.

Eis porque venho até vós, meus amigos, e vos digo: lá em baixo há infelizes cuja cesta está sem pão, a lareira sem fogo, o leito sem cobertas. Não vos digo o que deveis fazer; deixo a iniciativa aos vossos bons corações; pois se eu vos ditasse a linha de conduta, não teríeis o mérito de vossas boas ações. Eu vos digo somente: sou a caridade e vos estendo as mãos pelos vossos irmãos sofredores.

Mas, se peço, também dou, e muito; eu vos convido para um grande festim, e ofereço a árvore em que vós todos podereis saciar-vos. Vede como é bela, como está carregada de flores e de frutos! Ide, ide, colhei, tomai todos os frutos dessa bela árvore que se chama beneficência. Em lugar dos ramos que lhe arrancardes, porei todas as boas ações que fizerdes e levarei a árvore a Deus, para que Ele a carregue de novo, porque a beneficência é inesgotável. Segui-me, pois, meus amigos, afim de que eu vos possa contar entre os que se alistam sob a minha bandeira. Sede intrépidos: eu vos conduzirei pela via da salvação, porque eu sou a Caridade!
( Cáritas,Martirizado em Roma - Lyon, 1861 ).

.