segunda-feira, 28 de maio de 2012

José Américo, o homem de Areia.

 "  Há uma miséria maior do que morrer de fome no deserto: é não ter o que comer na terra de Canaã. "



Biografia:


Quinto ocupante da Cadeira 38, eleito em 27 de outubro de 1966, na sucessão de Maurício de Medeiros e recebido pelo Acadêmico Alceu Amoroso Lima em 28 de junho de 1967. Recebeu o Acadêmico João Cabral de Melo Neto.

José Américo de Almeida nasceu em Areia, Paraíba, a 10 de janeiro de 1887. Era filho de Inácio Augusto de Almeida e de Josefa Leopoldina Leal de Almeida. Faleceu na cidade de João pessoa a 10 de março de 1980.

Órfão de pai aos 9 anos, o menino foi entregue aos cuidados do tio Padre Odilon Benvindo. José Américo fez seus estudos no Seminário da capital do Estado e no Liceu Paraíbano. Em 1903 ingressou na Faculdade de Direito do Recife e após a formatura foi nomeado para o cargo de promotor público na comarca de Sousa. Em 1911 passou a ocupar as elevadas funções de Procurador Geral do Estado.

A publicação do romance "A bagaceira", em 1928, projetou-lhe o nome em todo o país, com o destaque dado à literatura regionalista que, ainda no século XIX, se concentrara, sobretudo, nas obras de Franklin Távora e de Domingos Olímpio.

Em 1922 publicara José Américo as "Reflexões de uma cabra" a que se seguiu "A Paraíba e seus problemas"(1923) obra de grande conteúdo social.

Secretário do Interior e Justiça durante o governo de João Pessoa na Paraíba, teve de enfrentar os conflitos políticos na região de Princesa.

Com a vitória da Revolução de 1930 assumiu, de 1930 a 1934, o Ministério da Viação e Obras Públicas. Um desastre aéreo na cidade de Salvador, em 1932, deixou-o seriamente ferido.

Em 1934 Getúlio Vargas o nomeou para o cargo de Embaixador do Brasil junto à Santa Sé, que não chegou a exercer. Eleito Senador em 1935,foi depois, designado Ministro do Tribunal de Contas da União.

Depois do êxito de "A bagaceira" publicou, ainda, os romances "O boqueirão"(1935) e "Coiteiros.

Em 1937 foi apresentado como candidato dos partidos governistas à presidência da República, mas o golpe de Estado de 10 de novembro desse ano suprimiu a campanha eleitoral. O Congresso Nacional foi dissolvido e implantado, no país, o Estado Novo.

Em fevereiro de 1945, com uma entrevista ao matutino carioca "Correio da Manhã" José Américo contribuiu decisivamente para pôr fim à ditadura implantada por Getúlio Vargas em 10 de novembro de 1937.

Nas eleições de 2 de dezembro de 1945 José Américo foi eleito Senador pelo seu Estado natal. Voltando a ocupar a pasta ministerial da Viação e Obras Públicas em 1951, cargo em que se conservou até o suicídio do Presidente Vargas em de 24 de agosto de 1954.

Entregou-se José Américo à tarefa de escrever as suas memórias e, em 1966, ingressou na Academia Brasileira de Letras, ocupando a vaga deixada pelo trágico falecimento do professor Maurício de Medeiros.
A União Brasileira de Escritores presta-lhe significativa homenagem - em 1977 - como "O Intelectual do Ano".

No ano anterior publicara o homenageado mais um livro de memórias, intitulado "Antes que me esqueça".

Fonte: Site da Academia Brasileira de Letras.



domingo, 27 de maio de 2012

POEMA DE DOMINGO (Fabio Mozart)


Este soneto é do Fábio Mozart , mas copiei do Blog do Vavá.  



E eis que o véu do templo foi rasgado.
A luz se fez guiando o inconfidente.
De Gutemberg a filha, previdente,
Difunde em corpo doze o revelado.



Quebrou-se o despotismo de um passado
Nas trevas do silêncio consumido.
Nasceu um novo mundo ao ter-se erguido
O braço da imprensa, e anunciando



Mais um suporte da democracia.
Porém, se a estupidez da tirania
Mantém a tua força reprimida,



Sem medo da incerteza e das rupturas,
Extirpa, pois, o véu das estruturas,
Reabre o caminho para a vida!



Postado por TOCA DO LEÃO

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Um Maracanã vale 1,3 mil escolas?





Textos como esse do André Barcinski, publicado no Folha.com me faz refletir sobre o futuro dos meus filhos. Só uma revolução na educação salva o Brasil. Veja abaixo...

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Há uns 15 anos, cometi uma gafe: numa matéria sobre uma banda de rock, escrevi que um disco da tal banda tinha vendido um bilhão de cópias.
Era um absurdo. Faria da banda a maior vendedora de discos da história.
Para minha surpresa, ninguém percebeu. Nenhum leitor escreveu reclamando.
Isso chamou minha atenção para um fato: muita gente tem dificuldade com números.
Todo dia, somos bombardeados com tantos números e estatísticas, que é cada vez mais difícil pôr em perspectiva o que esses números realmente significam.
Por exemplo: os custos da Copa do Mundo.
Todo mundo sabe que os custos anunciados são altos. Mas você já parou para olhar os valores com cuidado?
Resolvi fazer uma comparação entre os custos previstos para a Copa e outros gastos, só para dar a dimensão real da coisa. Todos os dados foram tirados de reportagens recentes na imprensa. Veja só:

O “novo” Maracanã vale 1289 escolas
A reforma do Maracanã custará R$ 931 milhões. Há poucos dias, o governo de Santa Catarina anunciou a construção de nove escolas, a um custo total de R$ 6,5 milhões. Cada escola atenderá a 520 alunos. Ou seja: o que o governo está gastando com a reforma do estádio no Rio seria suficiente para colocar 670 mil alunos na escola.
Outro dado curioso: o orçamento anual da Secretaria de Educação do Estado do Rio de Janeiro em 2011 foi de R$ 120 milhões. A reforma do Maracanã, portanto, consumirá o equivalente a 7,7 anos do dinheiro gasto com a educação no Estado.

Um Itaquerão vale 38 hospitais
O estádio do Corinthians custará R$ 890 milhões. Enquanto isso, a Universidade Federal do Tocantins anunciou a construção de um hospital universitário, ao custo de R$ 23 milhões.

A reforma de um estádio de treino em Roraima vale a reconstrução da Região Serrana do Rio
Os governos federal e de Roraima estão investindo R$ 100 milhões para reformar o Estádio Canarinho, em Boa Vista, apenas para que a cidade possa tentar ser escolhida como sede de treino – isso mesmo, sede de treino – por uma das 31 seleções que virão para a Copa do Mundo. Para isso, Boa Vista vai disputar com outros 158 municípios no país, que também querem receber treinos das equipes.
O valor é o mesmo que a presidenta Dilma liberou para ajudar a reconstruir oito cidades – incluindo Nova Friburgo, Petrópolis e Teresópolis – atingidas pelas enchentes de 2011, que mataram cerca de mil pessoas.

Gastos públicos com a Copa acabariam com 80% da miséria no país
Essa semana, a presidenta Dilma Rousseff lançou o plano “Brasil Carinhoso”, com um investimento de R$ 10 bilhões até 2014. Segundo a ministra do Desenvolvimento Social, Tereza Campello, o programa terá “impacto imediato de 40% na redução da miséria (considerando os valores repassados a todas as faixas etárias)” e de “62% entre as crianças de zero a seis anos”.
Os gastos totais com a Copa, segundo o Portal da Copa, chegam a R$ 25 bilhões (tem gente que calcula mais de 30, mas deixa pra lá), sendo que pelo menos 80% desse total (R$ 20 bilhões) vêm dos cofres públicos. Façam os cálculos.
É ou não é para ficar empolgado com a Copa?

quinta-feira, 17 de maio de 2012

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Que frase... Tinha que ser um Mário.




"Fiz um acordo de coexistência pacífica com o tempo: Nem ele me persegue, nem eu fujo dele, um dia a gente se encontra "

Mário Lago.

Ainda bem

EXCELENTE 

Clipe da Marisa Monte "Ainda Bem" com participação do lutador Anderson Silva.


Título: Ainda Bem
Artista: Marisa Monte
Participação: Anderson Silva





quinta-feira, 3 de maio de 2012

.... e por falar em saudade





O radialista Spencer Hartmann, da Rádio Tabajara, faleceu na noite dessa quarta-feira (2), aos 76 anos, em sua residência, no bairro da Torre, em João Pessoa. O corpo vai ser velado na tarde desta quinta-feira (3) na Sempre Assistência Funeral, na avenida João Machado, 1214. O sepultamento ocorrerá amanhã (3) em cemitério a ser definido pela família.


O permanbucano Spencer Hartmann morava em João Pessoa desde 1976 e completaria nesta quinta-feira (3), 34 anos do programa “E por falar em saudade”, levado ao na Tabajara AM, emissora do Governo do Estado, das 23h às 24h. Ele passou mal à noite. Spencer tinha problemas cardiácos e era diabético.


A esposa do radialista Maria José Hartmann, informou que na noite de de quarta-feira Spencer tomou um medicamento e foi dormir e esta manhã foi encontrado morto.


“O programa E por falar em Saudade é parte da minha vida, talvez seja até uma das razões do meu viver, porque é muito agradável a você quando se agrada, se faz uma pessoa feliz, então é muito gratificante”, declarou Spencer Harmann em entrevista a Josélio Carneiro, em 1995. “Apesar de não ser paraibano, eu amo a Rádio Tabajara”, ressaltou o radialista. Em 1995, sobre sua entrevista no livro Tabajara – A Rádio da Paraíba, Spencer declarou: “Quando eu partir para a eternidade, fica aí o meu nome, a minha história e a pequena parcela que dei à Rádio Tabajara”.

Spencer atuou em várias emissoras em Recife e Campina Grande, tendo chegado à Rádio Tabajara há 34 anos. Apresentou o último programa na terça-feira (1). Ele deixou a esposa Maria José e cinco filhos: Spencer Júnior, Fábio, Erick Douglas, Mônica e Andreia. Ele morava na Rua São Sebastião, 169, no bairro da Torre.

O livro Tabajara – A Rádio da Paraíba, lançado pelo Governo do Estado em 2002 e organizado pelo jornalista e radialista Josélio Carneiro, contém uma longa entrevista com Spencer, concedida ao jornalista Costa Filho.

Para produzir o programa “E por falar em saudade”, Spencer chegava à emissora no início da noite. Seus ouvintes eram de todas as classes sociais que gostam de ouvir músicas do passado. Muitos juízes e desembargadores eram ouvintes do programa.

Fonte: site do Governo do Estado.