sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

UPA OU ESTÁDIO PRA COPA, QUAL A PRIORIDADE DO GOVERNO?




Passou hoje no Bom Dia Brasil, imagens do dinheiro público jogado na sarjeta. Várias UPAs prontas que nunca foram entregues à população ou que apenas foram inauguradas para cortar fita, fazer discurso, ou tirar fotografia para passar no guia eleitoral.

Em várias, ainda não utilizadas pelo povo, faltam equipamentos, funcionários, vergonha na cara, compaixão, amor ao próximo, e compromisso com a palavra dada.

É a política do pão e circo, mas tem nada não porquê "a Copa do Mundo é nossa e com brasileiro não há quem possa."

domingo, 26 de janeiro de 2014

SENHOR PREFEITO, SEJA PIEDOSO, PELO AMOR DE DEUS, PARA COM ESSAS FESTAS!



Prefeito Luciano Cartaxo, nunca lhe pedi nada, nem o conheço pessoalmente, nunca o vi, mas ouso lhe encaminhar da forma mais humilde, com a alma tocada de tristeza e com o mais agudo desalento (acreditava muito na sua sensibilidade e benevolência, mas não fio mais), a mais comedida e despretensiosa súplica: Pelo amor de Deus, páre com essas festas!



Sr. Alcaide, sou Promotor da Infância e da Juventude na cidade de Bayeux,talvez Vossa Excelência não saiba, mas sou. Quiça esse Burgomestre não tenha ciência, que lá na minha sala, passam dezenas de mães desesperadas, de pais enlouquecidos, com olhares perdidos, desorientados, com a auto-estima destruída, desesperançados, uma vez que filhas e filhos adolescentes, entre os 12 e 14 anos, simplesmente amanhecem o dia nessas suas folganças e outras simplesmente desaparecem, são aliciadas para motéis, arranjam colegas nessas festas e ficam com homens novos e velhos e outras se encharcam de drogas de todos os naipes, mas o Senhor não tá nem aí e eu que pensava na sua benignidade, tô um fosso de desapontamento.


A mídia noticiou, que somente nos primeiros 50 dias do seu mandato, o erário pessoense atirou no lixo (penso desta forma), a estonteante quantia de R$ 1.057.244 e que esse Cacutu desembolsou do dinheiro desse povo pobre e carente, mais de meio milhão de reais para duas bandas de nomes estrambóticos, Natirus e Sambô. Aqui prá nós: se esse dinheiro fosse seu, você contrataria por esse valor esses conjuntos musicais? É óbvio que o senhor balançaria a cabeça negativamente.



Caro Administrante, suas festas estão matando sonhos de famílias simples, uma mãe modesta ao extremo, teve sua filha de 13 anos atraída por um morador de bairro nobre e lá na sua casa, deflorou a quase criança. Ambas estão com impiedosa depressão. Mas o estupro descarado não foi com ninguém próximo, importante! Enquanto estupros coletivos são praticados nas augustas areias, aí onde o superintende máximo adora gastar os recursos que mataria fome, sede e exterminaria vergonhas, isto sem dó e sem compaixão, afinal, não são seus mesmo. Ao tempo que outras mancebas passam dias fora de casa, outras trazem “amigas” para suas casas ao alvedrio dos pais, todas vítimas dos seus festejos (hoje tive que retirar duas de Bayeux e solicitar ao Conselho tutelar que fosse deixá-las em seus aconchegos, onde encontraram mães com as mãos na cabeça) e daí minha meu pirronismo nesse gestor.


A imprensa do nosso sublime torrão nada notícia de políticas públicas para crianças e adolescentes. Quanto dinheiro que poderia abrir oportunidades, criar possibilidades de resgates, de acesso, tornar sonhos acalentados pelos necessitados realidade. Pasmem! gera efeito contrário, pois auxilia essa juventude a cada dia, ébria pelo ópio da sua propaganda e sem visibilidade do veneno que o senhor a oferece, eufórica, se entrega aos prazeres sexuais precoces, às drogas, causando estragos indeléveis em suas vidas e no seio das suas famílias esfaceladas, já que os reflexos dos seus folguedos, repercutem no interior desses lares, cujas faíscas vão afundando-os a cada dia.



Atenda minha simplória petição clamorosa! Rogo! pare com essas festas terrivelmente danosas à construção de uma mocidade sadia, e com essas fortunas, crie eventos educativos por meses a fio para esse público, construa centros da juventude, edifique escolas profissionalizantes de ponta em cada bairro populoso, para atender regiões carentes da comuna, funde a universidade municipal para a pobreza, também eleve com esmero e amor centros de tratamento de dependentes químicos, casas de acolhimento e de passagem para situações extraordinárias de abandono, riscos e vulnerabilidades, forneça transportes de qualidade grátis para participação em eventos culturais, educacionais, de construção de identidade, invente, planeje, projete. 


Fazer festas qualquer pródigo fanfarrão e exibicionista sabe fazer, notadamente quando o dinheiro não é dele.
Imploro! Pare com essas festas! já que elas estão condenando milhares de crianças e adolescentes à desonra, à ignomínia, à infâmia do atraso, do sepultamento de sonhos. Não é sensacionalismo, lhe convido para passar um dia no meu gabinete e verás a violência que são suas farras, pagas com os impostos que deviam servir à esse povo que o comedido e discreto mandatário jurou publicamente tirar das trevas da ignorância e da lama da miséria.

Venha conhecer os adolescentes sem nada, daqui de Bayeux e daí de Jampa, do Valentina, dos Cangotes, dos Rabos das Bestas, das Curvas dos “SS”, das vergonhosas cracolândias bem pertinho do Paço onde o gerente público tem pomposo gabinete, aí bem no coração da cidade de Nossa Senhora das Neves, e nas suas belas praias e sem dúvida, o maioral da administração pessoense se convencerá e cabisbaixo, vencido pelo pudor de nada ter feito por esse segmento, exclamará: “Marinho, você tem razão, quem quiser festa que pague, pois honra, caráter, honestidade, também passa por não se locupletar de divertimentos bancados com o dinheiro da massa famélica e ávida de instrução, e dirá ainda mais: Marinho, onde eu estava que não vislumbrei essas crianças e adolescentes desvalidos, que perdi um ano e nada fiz, nada gerei em seu favor e meus auxiliares também só viram sombras, trevas, não tiveram olhos para vê-los, e então acolherá o meu grito desesperado, mandando parar os descabidos saraus, antes que o descrédito seja geral e mais, dentro da minha reduzida esfera de atribuições, irei responsabilizar sua administração pelos danos irreparáveis causados a esses infantes e às suas famílias dignas dos seus olhares.


Texto de Marinho Mendes Machado

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

DILMA, AS PROMESSAS DE SEMPRE E A REALIDADE CRUEL.



Dilma esteve hoje na Fifa. Disse por lá que os estádios são coisas simples, que teremos em bom nível estradas, aeroportos, portos, etc...  Será que passei um tempo fora do ar? 

Sinceramente, não entendi...

Seria bacana que ela tivesse dito que arrumar a saúde, segurança publica e as estradas do Brasil será uma tarefa fácil, que a transposição do Rio São Francisco vai ser entregue dentro de prazo, mesmo já tendo excedido 04 anos da ultima promessa. 

Dilma, Dilma, olhai por nós!

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

ESSA MULHER LINDA, A SOLIDÃO




Próximo ao ocaso da vida,
percebo ao meu lado esta querida,
minha companheira por tantos temida,
mas aqui tão desejada e entendida.

Vem, não se vá, amada amante,
Fique comigo à noite.
Estou te esperando desejoso e tranquilo,
Vem me marcar de açoite.

Sem você as noites são normais,
As sombras não desesperam
E os zumbidos não assustam mais.

Vem solidão, ainda estou vivo a te esperar,
Sem você já não tem graça, e
Nada sobraria de mim sem você pra conversar.

domingo, 19 de janeiro de 2014

A REFORMA DO ALMEIDÃO

Sou contra investimento público em estádio de futebol, onde só quem lucra são os clubes e dirigentes, mas promessa é pra ser cumprida. Eis parte do investimento público no José Américo de Almeida. Como se observa, nosso imposto servirá não apenas para pintar paredes, assentos de baixa qualidade e placar eletrônico para pequeno ginásio esportivo e olhe lá. Antes, se prometia uma reforma e era oferecido uma "tapinha" caldo de batata. Observei todo o entorno e parte da estrutura do Almeidão. O estacionamento deverá ser usado pelo contribuinte fazer lazer e caminhadas. Vai ficar bacana! 





sábado, 18 de janeiro de 2014

PAGUE IPVA PARA TER DIREITO A PISCINA





                                           Texto de Rafael Teixeira

“Certamente mais uma postagem que os "representantes" não darão a mínima, os babões vão fingir não ver, alguns mais enérgicos ainda tentarão tapar sol com peneira dizendo "meu candidato pintou o meio fio" ou qualquer outra besteira para defender seu "babado" que QUANDO faz, está fazendo apenas sua obrigação. "Pelo menos ele faz" grande merda... enquanto cidadão, não podemos ser elogiados quanto ao pagamento do IPVA "pelo menos ele paga" ... quanto ao IPTU "Pelo menos ele paga" e etc... pagamos cumprindo obrigação e não vemos resultado. .. "representantes" não cumprem suas obrigações, recebem da mesma forma, achando pouco ainda tiram do povo e tem deles que rouba, não devolve e pede que ajudem com doações para ele pagar a multa... OPA... pagar?? Palavra empregada de forma correta mas a multa é referente a DEVOLUÇÃO por tanto o valor está com ele que foi nosso e nós pagaremos de novo? Bi tributação até no roubo... ante tudo isso a inércia dos demais poderes que vêem e não vêem, sabem mas não sabem... sofrem mas vai passar... São realmente independentes? É certo que são harmônicos entre si, isso sabemos "na alegria e na tristeza, na saúde e na doença até que as grades os separem" Hipocrisia...já pensaram quantos anos, gerações, passarão até que o atual quadro se reverta? Certamente que não. E sem esse pensamento, sem as atitudes no agora, este tempo só avança a maior. Pena”.


sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

ROSEANA SARNEY E A CRIATIVIDADE DE PINÓQUIO






Só faltou a Roseana, filha do Sarney, dizer que a desgraça que toma conta da gestão incompetente dela, lá na Capitania hereditária do Maranhão, é culpa da bolsa família. Afinal, quem receber esta fortuna sai da linha da miséria, entra na classe média e vai assistir a Copa do Mundo.

Encurralada, ela abriu a voz e alardeou que o motivo da desgraça que toma conta de linda São Luiz e adjacências é por conta da prosperidade que se instalou no Estado.


Nem mesmo Pinóquio teria tanta imaginação.

É dose!